Friday, August 25, 2017

uma apropriação pro recifês de poema-stalker de annemarie bostroem


#8

eu nunca vou pedir o teu amor, vou exigi-lo:
que tu me ame é meu direito e teu dever e
ainda que por ele eu quase tenha morrido,

eu sei que tu me adora – só tu não sabe disso.
tu ainda acredita ser capaz de escapar
das algemas que meu desejo usa

para prender tua alma. meus braços querem
te ninar e meus olhos procuram a tua cara.
nenhum deus vai te salvar do meu amor

quando ele recair sobre ti, pegando fogo.
e agora que tu afinal sai do escuro, e
essa brasa noturna em luz se transforma,

eu quero então abrandar teu facho, laboriosa.








Ich werde nie um Deine Liebe bitten,
ich fordre sie, mein Recht und Deine Pflicht.
Obwohl ich fast den Tod um Dich gelitten,

weiß ich, Du liebst mich, und Du weißt es nicht.

-->
Du glaubst noch zu entrinnen aus den Ketten,
die Dir mein Sehnen um die Seele flicht.

Doch meine Arme warten, Dich zu betten,
und meine Augen suchen Dein Gesicht.
Kein Gott wird Dich vor meiner Liebe retten,

wenn sie in Flammen auf Dich niederbricht.
Du aber tritt nun endlich aus dem Schattenn
und wandle diese dunkle Glut in Licht,

dann will ich dienend Deiner Kraft ermatten.



annemarie bostroem foi uma poeta, dramaturga e tradutora alemã nascida em Leipzig, em 1922. ela morreu em 2015, com mil e duzentos anos, em berlim, onde morava desde 1944.

ela é praticamente uma desconhecida, mesmo tendo uma caralhada de livro vendido. descobri o terzinen des herzens (que é o livro que tem este poema, cujo título “traduzi” como Tercetos de amor) em maio deste ano, por acaso, passeando com ewout, num sebo na wrangelstrasse. me custou um euro. o vendedor nunca tinha ouvido falar da muié, ninguém que eu perguntei depois tampouco conhecia.

o livro tem 38 poemas COMPLETAMENTE OBCECADOS RECIBÃO MERMO, e é dedicado ao primeiro marido dela, um boy famoso, friedrich Eeisenlohr (1889-1954), que era jornalista, dramaturgo, escritor e editor. como ele era bem mais velho e bem mais famoso que ela, annemarie era "conhecida" (nem isso) como a marida de eisenlohr, coisa que frequentemente acontece com mulheres de homis famosos, não ou pouco importando o quão incríveis elas sejam.

o livro foi lançado em 1947 pela Rupert-Verlag e rejeitado ideologicamente dentro da zona de ocupação soviética na alemanha oriental, por ser considerado apolítico e erótico – sem no entanto ter sua publicação censurada. 

já em 1975 (portanto 14 anos após a construção do muro de berlim) terzinen des herzens foi completamente censurado pelo regime da RDA, só voltando a ser editado nos anos seguintes. mesmo com todo backlash, ele teve 100 mil cópias vendidas.  

para esta tradução usei a edição que encontrei no sebo, de 1951, da Insel Verlag. mais três traduções inéditas deste livro vão sair em breve na próxima edição da revista parênteses (obrigada, lubi!).

queria dedicar essa tradução ao meu pobre namorado, que mal sabe onde se meteu. 







-->

Wednesday, August 23, 2017

o guepardo


para L. em seu aniversário


o guepardo macho é parecido com o leopardo
(ou seja é um gato)
as patas têm ranhuras
para se mover melhor em alta velocidade
a cauda é longa e serve
para lhe dar estabilidade nas curvas
ao contrário dos outros felinos não ruge
ronrona
têm na cara duas linhas pretas
(parecem lágrimas)
e protegem os olhos da claridade
(ele caça à luz do dia)
cada guepardo tem padrão exclusivo de anéis
em seu rabo
costumam marcar território mijando
(matam qualquer intruso)
adotam os filhotes perdidos ou órfãos
fazendo o papel de pai e mãe
têm uma cabeça pequena e aerodinâmica
uma coluna incrivelmente flexível
(para eles correrem mais rápido)
é um animal predador de estratégia simples
não usa táticas complexas como a emboscada
caça em perseguições em alta velocidade
matando sua presa de cansaço e asfixia
(termina a caçada com uma mordida na garganta)
consegue atingir velocidades de 115 quilômetros
por hora sendo portanto
de todos os animais terrestres
além de o mais bonito
o mais rápido




Monday, July 31, 2017

são paulo fashion flip, dia 4 (e uns dizeres sobre o fruto estranho)


o texto apresentado dentro da série "fruto estranho" (que teve também josely vianna baptista, grace passô, prisca augustoni, ricardo aleixo e andré vallias) é resultado de uma pesquisa iconográfica de feminicídios famosos e assassinatos de mulheres ativistas, no brasil, e de cujos corpos se encontra fotos no google images. vale dizer que outros feminicídios super famosos (tipo o caso serrambi ou o massacre do reveillon em campinas) não entrou no texto por não haver imagens disponíveis no google (graças a deus).

vamos bem longe quando o tema é exposição do corpo da mulher, inclusive a exposição do corpo morto - ou seja, o mais vulnerável que existe. assim sendo, enquanto juntava essas imagens no meu computador (aliás um processo traumático em si, deus me livre nunca mais faço isso de novo, porque além de salvar eu tinha que ficar olhando para elas, para descrever o mais acuradamente possível), fui reler "diante da dor dos outros", de susan sontag, em que ela fala da experiência dela na guerra de sarajevo e da nossa relação com imagens de zonas de conflito.

eu sempre fui obcecada com esse livro e, considerando o brasil o quinto em número de feminicídios no mundo (são 13 mulheres assassinadas/dia, segundo a onu) achei que podia friccionar o contexto brasileiro de morte de mulheres, no contexto de guerra que sontag aborda.


no vídeo, toda vez que eu falo "pág. não sei das quantas", o que vem depois é uma citação do livro. achei que era melhor fazer assim do que ficar repetindo algo tipo "abre aspas-citação-fecha aspas". só que tem muita gente no facebook reproduzindo exatamente essas partes da performance como se essas citações fossem minhas, e não são, e tô com medo da compainha das letras me processar hahaah! a foto do caderninho vermelho usado na performance taí pra provar que eu usei aspas, e no fim do texto há uma referência bibliográfica que, aliás, copio aqui:

Susan Sontag, “Diante da dor dos outros”, tradução de Rubens Figueiredo (São Paulo: Companhia das Letras, 2003) 


esse texto não teria sido possível de ser feito e apresentado sem a ajuda/inspiração de fabiana moraes e gui mohallem. obrigada às minhas amigas raquel borba, clarissa galvão e juliane miranda. obrigada ao coletivo garupa, a italo diblasi e flavio morgado. obrigada à minha mãe que quando eu nasci disse "vai adelaide ser anarcobucetalista na vida". obrigada à moça barbara que ficou conversando comigo pra me distrair, minutos antes deu entrar na igreja, e me salvou dum infarto. obrigada a maria valéria rezende que, já no camarim-sacristia, me disse: "menina, vai ter gente que vai gostar e gente que não vai gostar, e daí?".

obrigada principalmente à grande joselia aguiar, que mulher da pá-virada da porra. que visão. que visão. que divisor de águas.

fica o desafio para o ano que vem, na minha opinião: se misturar DE VERDADE com a comunidade local e incluir na programação os professores de literatura do ensino médio da rede pública, que são os verdadeiros formadores de leitores do país. 


olha essa foto gente que coisa mais linda
(quem tirou foi gabriela e me mandou depois)
esse é seu antonio carlos, professor de literatura
da escola de aplicação do rio.
a gente conversou tanto depois da performance
tem que ter menos prof de universidade nesses eventos
e mais prof das escolas públicas como produtores de pensamento
plmdds


sem mais mimimi, maiss chapas:


maria valéria e a filha de luaty

kanguei no maiki 

luaty gato assinando autógrafos 
eu tarra do lado de decoração hahaha


a moça barbara que salvou minha vida 

depois teve conversa com paula fábrio, leo cazes
e noemi jaffe (TE AMO!) que nessa chapa
mal-batida tá lendo um trecho de "o que os cegos estão sonhando"
(que foi o livro que eu tava lendo naquela viagem-demônia pra polônia,
com ewout, no ano passado)


mais tarde, no bar, eu e fred klumb na fila do banheiro


eu e meu beatnítalo


os militar na BR no caminho do aero do rio.
af que abuso.










Saturday, July 29, 2017

são paulo fashion flip, dia 3



never

fila na frente da casa saramaDo
um monte de mulher
pra ver duas mulher
foda

ai meu coração

djamilia abrindo os trabalhos 

que chapa rob packa!


eu sendo maravilhosa ALOK
na chapa de amanda

os pessoal e os migos do coletivo garupa
melhor editora que a gente respeita

julya tavares bebendo duas caipi ao mermo tempo
e fred klumb olhando
(ou "cada um tem a namorada que merece")


deus
"AINDA QUE REIVINDIQUE NAMORADOS,
TENHO CATARATAS"
hahahahahaha

fran cricelli e alberto martins

e pra encerrar a noite,
outro deus me mostrando
no celu dela os selfies
que ela fez com dilmão!
txoman.
(a chapa é de priscilla campos amor)



Friday, July 28, 2017

são paulo fashion flip, dia 2


um urubu

meu amigo ravi e a pipoca

poesiamantrasermão de natalia borges polesso
#ummulhersingular
#oquefazumamulher

prisca augustoni se divertindo no lançamento do livro dela

andré capilé frescando


fruto estranho de josely
("você vê?")


djamilia pereira de almeida arrasando
("escrever é uma questão de vida ou morte") 

jarid arraes lançando seu livro
"heroínas negras brasileiras em 15 cordéis"
("fazer literatura é causar impacto")

sérgio miga maciel e schneider carpeggiani
(vulgo delfim boys)
eu quase morro essa hora

fruto estranho de grace passô 
"olhos são faróis ou facas
ou moluscos ou um susto
ou um diabo
ou tudo junto"

um homem protestando
contra a rede esgoto
"



e fotos que eu fiz pra lukas achar
o brasil bonito e querer vir logo
pra cá comigo










Thursday, June 22, 2017

para italo, no seu aniversário, um poema cheio de rimas pobres


não sei o quanto pesa o destino
mas prefiro acreditar que tu aparecesse
para me apresentar à coragem

para me aproximar de coisas que eu devia
há tanto ter começado finalizado
ou dito

te usar não como desculpa
e sim como gatilho
para silêncios melhores
e mais incômodos
para mais fogos, mais artifícios

te celebrar
hoje
já que és o último terrorista
com tua capacidade infinita
de encantamento

celebro hoje todos teus abismos
(que não são poucos)

teu nome hoje é dito no umbral
pois não tendo empleo fijo podemos
virar mil noites juntos
pois o que me interessa é te olhar
te ouvir e me sentar nos parques
para te leer ou leer
contigo te dizer "feliz aniversário"
mas em vez de oferecer-te
fazer de ti el regalito
tornando-me eu mesma
en contrario
um igual
teu menino
teu amigo


Wednesday, June 14, 2017

o presente do terremoto


teu pénis
meu pão tão cedo

maria teresa horta



teu corpo
que não domino 
tu tão homem tão velho 
(pra mim)

teus pêlos 
cor de caramelo 
fazendo cócega no meu nariz
antes que eu pegue no sono

te acordo porque
me acordo com medo
pensando
meu deus e se eu perder o controle

te olho 
porque tu és tão bonito
e és tão velho 

tu tua velhice
e teu tamanho
gostam de mim
e eu não sei o que fazer
quando não sou eu que
mando

daqui de onde
te olho vejo deus
a um banquinho
de distância

desapareço nos teus hectares
tuas mãos de adam smith 
por toda parte 
hoje cedo com elas na minha
nuca me dissesse
o presente do terremoto
menina (ele disse menina sendo que eu tenho mil anos!)
é perder o medo das ruínas